Nos últimos anos, o slow fashion vem ganhando notoriedade no mundo da moda. Saiba mais sobre essa tendência e suas vantagens!

Está pensando em ir às compras? Então, antes de sair por aí, é bacana entender o que é slow fashion. Isso mesmo! Tendência internacional, o termo vem sendo cada vez mais empregado no universo da moda, sendo traduzido ao pé da letra como “moda lenta”.

Aqui, a ideia é transformar a relações de consumo e até mesmo exigir que as marcas tenham mais atenção em todas as etapas de um processo de produção. Assim, estamos falando de um movimento que vai na contramão do que conhecemos como fast fashion — um sistema de produção em massa e que tem como base produzir uma grande quantidade de produtos, só que por um custo muito menor e sem valorizar da maneira correta a mão de obra do profissional.

Por essas e outras, ao comprar roupas, sapatos e bolsas para usar no dia a dia, é interessante conhecer os detalhes do slow fashion: o que é, quais são seus benefícios e como começar a praticá-lo. Neste artigo especial, te contamos tudo a respeito do assunto e te ajudamos a começar a praticá-lo desde já. É só acompanhar e se atualizar!

Afinal, o que é slow fashion?

Inicialmente, o termo “slow fashion” foi criado ainda em 2004 pela escritora britânica Angela Murrills. Com o passar do tempo, porém, esse conceito ficou cada vez mais conhecido, especialmente entre os blogueiros e entusiastas da moda.

Bastante inspirado no slow food que, nada mais é do que o oposto de fast food, o slow fashion tem como objetivo contribuir para um mundo da moda mais diverso, priorizando a consumo consciente e, especialmente, fazendo com que haja uma maior confiança entre o consumidor e os produtores do setor.

Fora isso, o slow fashion busca pela preservação do meio ambiente. O motivo? Atualmente, a indústria da moda convencional é responsável por boa parte da exploração ambiental. Para se ter uma ideia, segundo a Fundação Ellen MacArthur, para fabricar apenas uma camiseta, são necessários mais de 2.500 litros de água — quantidade suficiente para que uma pessoa se mantenha hidratada por dois anos, em média.

Os benefícios do slow fashion

  • possibilidade de reduzir o desperdício, principalmente no que diz respeito aos resíduos têxteis presentes nos aterros sanitários;
  • incentivo ao mercado local, uma vez que o slow fashion valoriza as comunidades e promove oportunidades de trabalho para a região atuante;
  • conscientização do consumo, já que essa nova prática visa educar o consumidor a respeito da importância de prezar pela qualidade das peças e adquirir produtos que respeitem o meio ambiente ao longo de toda a sua cadeia de produção;
  • diversidade, já que o slow fashion visa desenvolver produtos para todos os públicos sem ditar regras ou criar padrões.

Como adotar o slow fashion no dia a dia?

A boa notícia é que existem várias maneiras de aderir ao movimento do slow fashion e, com isso, contribuir para o futuro do planeta. É claro que vamos te contar quais são essas atitudes para você começar a adotá-las desde já.

  • comece a comprar de brechó e, com isso, estimule a moda circular;
  • considere reforçar as suas roupas que possuem pequenos defeitos, mas ainda estão em ótimo estado de conservação;
  • evite fazer compras por impulso. Em vez disso, adquira somente o que, de fato, for necessário;
  • prefira comprar peças feitas em fibras naturais, como o linho e o algodão;
  • valorize o comércio de sua região.

Como vimos, a moda sustentável, ou slow fashion, é uma proposta que veio para ficar. Agora, o que acha de começar a adotar essa prática e consumir de um jeito mais consciente? Com certeza, a sociedade — e o planeta — poderão se beneficiar desse novo hábito.

Se gostou da ideia, aproveite para compartilhar este conteúdo nas redes sociais e ajudar os seus amigos a ficarem por dentro do tema. Até a próxima!