titulos verdes
titulos verdes

Nos últimos anos, intensificou-se os investimentos ambientais, sociais e de governança (ESG na sigla em inglês) no mundo todo. Em 2021, um recorde de US$ 120 bilhões foi investido em ETFs com foco em ESG, um valor que corresponde a mais que o dobro do registrado em 2020 (US$ 51 bilhões) — sinal de que esse tipo de investimento está bem estabelecido e pode ser bem lucrativo.

Com isso, os Títulos Verdes, Sociais e Sustentáveis tornaram-se ativos financeiros atrativos tanto para empresas quanto investidores. Mas, afinal, o que são eles e que tipos de projetos eles financiam? Entenda melhor sobre o tema no texto abaixo.

O que são?

Os Títulos Verdes, Sociais e Sustentáveis são títulos de dívida, ou papéis que representam uma dívida de um governo ou empresa, que são emitidos especificamente para financiar projetos de caráter ambiental. Assim, eles são emitidos nos mercados de capitais com o intuito de atrair capital para empresas e projetos que procuram causar um impacto socioambiental positivo no planeta.

Os títulos verdes (ou green bonds) são caracterizados justamente por essa ser a destinação dos recursos. Dessa maneira, o dinheiro captado por meio desses títulos só pode ser utilizado para o projeto específico que foi declarado pelo empreendimento ou governo ao ser emitido.

Geralmente, esses títulos estão ligados a projetos de energia renovável, prevenção e controle de poluição, transporte limpo, eficiência energética e agricultura e pecuária sustentável. Os títulos também incluem iniciativas de conservação da biodiversidade aquática e terrestre, construção de edifícios verdes e gestão sustentável de água.

Foi a partir dos green bonds, criados em 2008, que também surgiram os títulos sociais (social bonds). Eles seguem a mesma lógica de dinheiro carimbado, entretanto, o uso deve ser destinado para projetos que tenham benefícios sociais definidos.

Com isso, os títulos ajudam a financiar projetos que melhorem o acesso à infraestrutura básica, tais como água, saneamento e esgoto, energia e transporte. Também incluem projetos que melhoram o acesso a serviços essenciais, como educação, saúde, habitação com preços acessíveis, segurança alimentar e alívio ao desemprego em períodos de crise.

Por fim, há os títulos sustentáveis (sustainable bonds), também conhecidos como títulos de sustentabilidade. No caso deles, eles são uma mistura dos dois anteriores, com títulos financiando projetos de caráter socioambiental. Por exemplo, são emissores comuns tanto empresas de saneamento básico quanto bancos, que direcionam os recursos captados para financiar carteiras de crédito social e verde.

Títulos Vinculados à Sustentabilidade

Mais recentemente, foi criado um outro tipo de título: os Títulos Vinculados à Sustentabilidade (Sustainability-linked Bonds, ou SLB na sigla em inglês). Ao contrário dos demais, esse não é um título carimbado, o que dá mais liberdade para o uso do dinheiro captado. Entretanto, com a emissão de um SLB, a empresa deve se comprometer a cumprir metas sociais ou ambientais dentro de determinado prazo.

Com isso, procura-se melhorar os índices ambientais, sociais e de governança (ESG na sigla em inglês) de uma empresa. Ela deve selecionar bons indicadores-chave de desempenho e determinar metas claras a serem cumpridas. Também é importante que tanto as metas como os indicadores atendam ao princípio de materialidade, sendo relevantes para a atividade que a empresa exerce.

Se não conseguir cumpri-la, a empresa sofre uma penalidade conhecida como “step up” de taxa, uma vez que é aplicado um prêmio sobre a taxa de juros, encarecendo o custo de crédito. Nesse mercado, também há o mecanismo contrário, o “step down”: nele, caso a meta seja cumprida, a taxa de juros cai.

Quais os benefícios que esses títulos proporcionam?

Além de contribuir para uma melhora socioambiental em diversos cantos do planeta, a emissão de títulos dessa natureza proporciona benefícios tanto para o emissor quanto para os investidores. No primeiro caso, há um reconhecimento pelas práticas de conservação do meio ambiente, ocasionando uma melhora no posicionamento frente ao mercado e aos stakeholders.

Os títulos ESG também são uma maneira de a empresa diversificar as fontes de receita, contando com maior volume financeiro para atividades ligadas à sua área de atuação. Além de oferecer mais visibilidade para projetos verdes e sociais, também é uma maneira de otimizar os relacionamentos com investidores, abrindo portas para futuros projetos desse tipo, facilitando a arrecadação de recursos.

Para o investidor, é a garantia de que ele está investindo em um mercado em pleno crescimento e bem reconhecido, com apelo global. Essa também é uma operação com menos riscos envolvidos nas aplicações, já que a maioria dos títulos são de renda fixa.

Também é atrativo o fato de que os títulos são enquadrados em estratégias de longo prazo, com grande potencial de crescimento. Isso sem contar, é claro, no cumprimento de políticas de governança corporativa e responsabilidade socioambiental.