O que significa regulação das redes sociais e como pode ser aplicada?

Hoje, as redes sociais são um dos locais que podemos consumir praticamente de tudo, pois existem conteúdos que são voltados  ao entretenimento, educação ou até mesmo à informação das pessoas. Porém, a regulação das mídias pode mudar esse cenário.

Quando consideramos as redes sociais, dificilmente tem pessoas ou negócios que não estão estabelecidos nesse meio, já que ele é repleto de possibilidades e oportunidades incríveis.

Entretanto, uma nova questão promete mudar ou até mesmo estabelecer algumas ações que tendem a transformar esse cenário que conhecemos e geralmente estamos acostumados.

A regulação das redes sociais entra em pauta após o atual presidente Lula do PT declarar publicamente a necessidade de regular os meios de comunicação em todo o Brasil.

O então presidente defende que essa discussão esteja presente no G20, o conhecido fórum de assuntos econômicos formado por representantes de 19 países da União Europeia e pretende levar a discussão também para o atual presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

Como em diversos assuntos e questões, a regulação das redes sociais divide opiniões, pois algumas pessoas enxergam essa ação como necessária, enquanto outras creem que isso é uma forma de censura.

Por isso, desde o seu negócio de elaboração de itcat até as pessoas que consomem as redes sociais por diversão, ficar por dentro da regulação das redes sociais é uma etapa necessária e que pode fazer toda diferença.

Pensando nisso, hoje iremos falar justamente sobre a regulação das redes sociais, evidenciando o significado desse termo, a razão dessa discussão estar em alta, a importância que ela possui e tudo que precisa saber sobre isso. Confira!

O que é a regulação das redes sociais?

Nos dias atuais, tornou-se praticamente impossível encontrar pessoas que não estão estabelecidas diante das redes sociais, pois esse local se tornou importantíssimo para interações, vendas e uma série de possibilidades.

Para se ter ideia, de acordo com o Insper, cerca de 148 milhões de brasileiros estão estabelecidos em redes sociais, como o Facebook, além da marca impressionante de 105 milhões no YouTube e 99 milhões no Instagram.

Sendo assim, fica claro que as redes sociais são importantíssimas na vida de boa parte da população, atendendo desde as necessidades de uma empresa de manutenção de subestação a uma pessoa comum em seu dia a dia.

Logo, a regulação das redes sociais defendida por Lula até mesmo antes de seu mandato tem como principal objetivo o enfrentamento às Fake News e tudo que possa ameaçar a democracia em que vivemos.

Essa regulação foi oficializada em janeiro de 2023, quando o presidente Lula recebeu do ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino do PSB, um projeto que tem como seu principal intuito debater com a sociedade a regulação das redes sociais.

O objetivo em relação à regulação é debater esse assunto não só no Brasil, mas em todo o mundo, o que justifica o atual presidente levar essa questão para Joe Biden e todos os membros que fazem parte do G20.

Assim, devido a importância e até mesmo a proporção que a regulação das redes sociais possui, vale a pena ficar atento a essa questão através da sua empresa de peças em alumínio.

Por que a discussão da regulação das redes sociais está em alta?

Por um lado, os defensores da regulação apresentam essa questão colocando em destaque o avanço da tecnologia e a urgência em notificar os acontecimentos com o máximo de  legitimidade.

Por outro lado, algumas pessoas acreditam que essas medidas podem acabar ferindo a liberdade de expressão das pessoas, sendo considerado nesse ponto de vista até mesmo como uma tentativa de censura.

Entretanto, o ministro chefe da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, Paulo Pimenta do PT, defende essa regulação tendo em vista uma nova legislação que se proponha a combater o impulsionamento de publicações antidemocráticas.

Além do mais, o ministro ainda ressalta que existe uma fragilidade em relação às mídias digitais para cobrir conteúdos desse teor, colocando em alerta a aprovação dessa regulação e suas medidas.

Porém, vale ressaltar que os contrários à essa proposta costumam dizer que se o projeto for aprovado, o Brasil acabará sendo nivelado a países autoritários e sem liberdades.

Logo, diante desses pontos de vista, a regulação está em pauta no senado e o mais adequado em relação a esse fator quando imaginamos uma empresa de painel luminoso fachada ou até mesmo o público comum é se adequar e estar por dentro de tudo isso. 

Importância da proposta de regulação

Por mais que a regulação seja como uma espécie de moeda, onde podemos enxergar dois lados, um que defende essa ideia, visando acabar com as famosas Fake News e o outro que coloca em discussão a liberdade de expressão.

Não podemos negar o fato que a regulação é importante em relação às redes sociais e o ambiente atual em que vivemos, tendo pontos fortíssimos que mostram que essa questão pode ser muito positiva.

Logo, para que diante da sua empresa de autotransformador entenda ainda mais sobre a regulação das redes sociais e sua aplicação, confira alguns pontos que demonstram ainda mais a importância dessa ação.

  • Estabelece um equilíbrio diante do meio digital;
  • Preservação a democracia;
  • Combate a tribalização;
  • Acaba com as fragilidades existentes. 

Dessa forma, ao destacar esses pontos, fica claro que a regulação tende a ser algo importante e até mesmo um marco essencial, não só para o Brasil mas para praticamente todo o mundo.

Por isso, diante da proporção que a regulação possui, vale a pena ficar por dentro das suas atualizações e o quanto esse fator tende a beneficiar ou até mesmo prejudicar o meio digital que vivemos e estamos estabelecidos.

Casos de alguns países que regulam a mídia 

Como uma das principais pautas diante de todo o país é justamente a regulação das mídias, vale muito a pena analisar alguns países que geralmente já adotaram essa prática diante do seus territórios.

Alguns casos e exemplos em que as redes sociais se tornaram uma ameaça e demonstraram a necessidade da regulação, foram:

  •  Brexit do Reino Unido;
  •  As eleições de Donald Trump;
  •  A invasão no Capitólio nos Estados Unidos;
  •  Invasão ao congresso nacional. 

Esses casos colocaram ainda mais em destaque a necessidade da aplicação da regulação das redes sociais e fizeram com que essas ações começassem a se mostrar necessárias por praticamente todo o mundo.

Além do mais, esses pontos tornam evidente a potencialidade da disseminação do discurso nas redes sociais, que podem acabar sendo um risco para a democracia que vivemos e conhecemos.

Por isso, cada vez mais tem se tornado importante se adaptar à regulação das redes sociais, pois elas tendem a impactar desde uma empresa corte e dobra de aço para construção civil a praticamente todo o meio digital.

A Alemanha que há alguns anos já estabeleceu a regulação estando presente no pós desde 2011, existe a Lei de Imposição de Direito das Redes de Comunicação, conhecida também como Lei do Facebook.

Essa ação ocorreu justamente para combater o discurso de ódio nas redes sociais, além da obrigação de remover conteúdos ilegais em 24 horas, tornando o ambiente digital mais agradável e com algumas questões a serem respeitadas.

Como fazer o uso responsável das mídias 

Diante das informações apresentadas, uma das principais dúvidas que surgem desde uma empresa de detectores de tensão a todo o público, é voltado justamente em como utilizar as mídias de uma forma mais responsável.

Pois bem, a responsabilidade pelo uso das redes sociais é de cada usuário, estando até mesmo sujeito a punições, caso as políticas de uso das plataformas de mídia social não sejam seguidas e aplicadas.

Entretanto, para que não corra o mínimo risco da sua conta ser punida diante das mídias digitais, confira algumas orientações para que possa fazer o uso com responsabilidade.

  • Desconfie, não acredite em qualquer informação que você consuma;
  • Leia todo texto e não somente o título da notícia;
  • Cheque a data das publicações;
  • Veja se outros sites também estão trazendo a mesma notícia;
  • Verifique as fontes de informações em apps de mensagens;
  • Se a informação for falsa, alerte quem mandou;
  • Denuncie as Fake News;
  • Pense antes de tomar qualquer decisão.

Logo, ao se atentar e ter esses pontos em mente, mesmo com a regulação das redes sociais o seu acesso e da sua empresa que trabalha com chave fim de curso tende a melhorar e se tornar ainda mais positivo.

Dessa maneira, ao entender todos esses pontos, é possível compreender um pouco mais a fundo sobre toda a questão da regularização. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Sem avaliações ainda
Avatar
Formado em Jornalismo e Comunicação Social. Assessor digital pela equipe Guia de Investimento. Meu compromisso é entregar conteúdos de qualidade para diversos setores, entre os principais: Tecnologia, finanças e meio ambiente.