O meio ambiente é um dos pilares da Segurança do Trabalho, ao lado da segurança e saúde. Em 1994 o Ministério do Trabalho estabeleceu o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, por meio da NR 9. O objetivo é preservar a integridade física dos trabalhadores por meio de uma avaliação antecipada dos riscos ambientais. Conhecer os riscos ambientais e elaborar um programa que proteja tanto o trabalhador, quanto o meio ambiente, é uma responsabilidade de todo empregador.

Tragédias como a de Mariana em 2015 e a de Brumadinho em 2019, onde o rompimento de barragens causou perdas humanas, além de contaminar rios e degradar uma boa área ambiental, são alertas da necessidade de uma gestão ambiental que trabalhe em conjunto com as medidas de segurança do trabalho. Nesse artigo vamos falar sobre a importância da gestão ambiental na segurança do trabalho.

O que são riscos ambientais

Podemos definir como riscos ambientais os agentes físicos, químicos e biológicos presentes no ambiente de trabalho. Agentes físicos são as inúmeras formas de energia que um trabalhador pode estar exposto: altas temperaturas, radiações (ionizantes e não ionizantes), pressões anormais, ruídos ou vibrações. Já os agentes químicos são aquelas substâncias, ou produtos, que, por via respiratória, podem afetar o organismo. São as poeiras, névoas, gases, vapores ou neblinas. Os fungos, bactérias, parasitas, vírus e protozoários são definidos como agentes biológicos.

Por isso, é muito importante que o empregador implemente análises de riscos ambientais na sua rotina de serviço. Principalmente quando sua produção se trata de indústrias, construtoras, petrolíferas, químicas e farmacêuticas. Pois elas oferecem um potencial de impacto negativo ao meio ambiente.

Análise de Risco Ambiental

As Normas Regulamentadoras são regulamentações que o Ministério do Trabalho estabeleceu para a gestão de segurança e saúde do trabalhador. Atualmente temos 37 NR´s e todas elas destacam a necessidade da implementação de análise de riscos. Dentro da gestão de análise de riscos existem algumas ferramentas importantes:

  • Análise Preliminar de Risco (APR)
  • Aspectos e Impactos Ambientais (AIA)
  • Plano de Continuidade de Negócios (PCN)
  • Análise de Impacto do Negócio (AIN)
  • Análise de Vulnerabilidade Sócio Ambiental

NR 9 e o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais (PPRA)

A NR 9 é a Norma Regulamentadora que estabelece as condições para a avaliação da exposição do trabalhador a riscos ambientais. A partir disso, medidas de prevenção são implantadas, de acordo com o tipo de risco identificado. Dentre os riscos, destacamos os riscos físicos, químicos e biológicos, como já mencionado anteriormente.

Como identificar as exposições aos riscos ambientais

A Norma determina um processo pelo qual se deve identificar as exposições ocupacionais dos riscos ambientais. O primeiro passo é identificar as atividades exercidas. Em seguida, é necessário identificar o agente e detalhar as formas de exposição do trabalhador. Também é preciso verificar as possíveis lesões que essa exposição pode ocasionar. Com isso, os fatores determinantes da exposição devem ser ressaltados para assim implementar medidas de prevenção adequadas.

Essas medidas devem ser realizadas para comprovar o controle da exposição no trabalho e também para se ter uma noção da dimensão dessa exposição. Os resultados dessas avaliações devem ser inseridos nos inventários do PGR. O Programa de Gerenciamento de Risco (PGR) é um planejamento de medidas, baseado nas normas, com a intenção de diminuir os riscos de acidentes no trabalho. Todos os planejamentos respondem a uma série de legalidades e são documentados.

Prevenção de incêndios e descarte corretos de materiais

O Brasil tem um alto índice de mortes por incêndio. Grande parte deles acontecem em ambientes de trabalho. Entre os inúmeros estragos que um incêndio pode deixar, a destruição da flora e fauna de um ambiente alarmante. Por isso, a Segurança do Trabalho tem uma preocupação com o projeto de prevenção de incêndio. É a partir desse planejamento que se elabora estratégias de segurança, elaborando rotas de fuga e disponibilizando equipamentos de contenção.

Da mesma forma, o planejamento de Segurança do Trabalho também cuida do descarte de matérias com risco de contaminação, por agentes químicos ou biológicos. Com isso pode-se evitar o contato de materiais infecciosos com o meio ambiente.

O empregador deve dispor de treinamentos e programas de conscientização a todos os seus colaboradores. Essa obrigatoriedade cabe a todas as áreas, mesmo as que parecem improváveis. O treinamento de NR35, por exemplo, inclui a prevenção e combate a incêndios e outras medidas de segurança em caso de emergência. Mesmo se tratando de um treinamento para o trabalho seguro em altura, a norma estabelece a necessidade de uma capacitação para segurança em situações de incêndio.

Qual a importância da gestão ambiental na segurança do trabalho

A promoção de saúde dos trabalhadores está diretamente ligada ao meio ambiente. Seja o ambiente de trabalho direto, ou o ambiente que cerca as instalações dele. É importante pensar na conexão e dependência que há entre meio ambiente e saúde ocupacional. Uma vez que o homem precisa do que o meio ambiente oferece para ele sobreviver. Investir em um programa de segurança do trabalho que não englobe uma preocupação ética com o meio ambiente é um trabalho feio pela metade. Em algum momento, em pequena ou grande escala, os prejuízos irão afetar trabalhadores e empregadores.

O desenvolvimento sustentável de uma empresa diz respeito a uma boa relação da sua produção com o ambiente onde ela está. Ele tem impacto não só no meio ambiente, e nas relações éticas, mas no aspecto econômico.

Muito se questiona sobre o investimento sustentável e o retorno financeiro. Mas quando se trata de sustentabilidade falamos de um investimento futuro, a preservação da cadeia produtiva. É uma estratégia a longo prazo para que a preservação das relações de consumo e produção continuem funcionando da melhor forma possível.

Uma cultura de exploração e consumo irresponsável pode prejudicar investimentos a longo prazo. Somos nós, homens, que precisamos do que o meio ambiente nos dá, e não o contrário. É preciso formar uma nova mentalidade de gestão ambiental que dialogue com os programas de segurança do trabalho. Entendendo que o meio ambiente é um pilar do desenvolvimento de um trabalho seguro e produtivo.