continua após a publicidade

A poluição plástica surgiu como um dos desafios ambientais mais urgentes de nosso tempo. Mais de 100 milhões de toneladas de plástico entram no meio ambiente a cada ano, com mais de 10 milhões de toneladas acabando em nossos oceanos. Esses plásticos se decompõem em partículas microplásticas prejudiciais, tão pequenas que podem ser consumidas pela vida selvagem.

Reconhecemos garrafas e sacolas descartadas como resíduos plásticos, mas as fibras sintéticas que são tecidas em nossas roupas – poliéster, nylon, acrílico e outras – são igualmente problemáticas. Todos os anos, mais de 60 milhões de toneladas de tecido plástico são produzidas, uma quantidade considerável das quais acaba em aterros sanitários.

Uma abordagem promissora para enfrentar essa crise é o uso de plásticos biodegradáveis. Esses plásticos são projetados para se decompor naturalmente em gases e água, que são então liberados de volta ao meio ambiente sem causar danos duradouros. No entanto, a realidade do plástico biodegradável ou bioplástico não atende às nossas expectativas.

Nova pesquisa liderada pela Scripps Institution of Oceanography, em San Diego, Califórnia, descobriu que um material bioplástico popular chamado ácido polilático não se decompõe no meio ambiente quase tão rápido quanto esperado. As fibras sintéticas, incluindo materiais bioplásticos como o ácido polilático, não mostraram sinais de decomposição, mesmo após 400 dias submersos no oceano.

A poluição plástica que vem das roupas é uma área particularmente complicada. As roupas muitas vezes não são recicladas ou mesmo recicláveis, e elas liberam pequenas fibras plásticas no meio ambiente através do desgaste gradual.

A pesquisa encontrou evidências de que as microfibras de ácido polilático são potencialmente tóxicas para organismos marinhos, incluindo águas-vivas. A presença de fibras de ácido polilático no ambiente marinho pode causar mudanças nos números e comportamento das águas-vivas, o que poderia ter implicações de longo alcance para os ecossistemas marinhos.

A longevidade das fibras de ácido polilático no ambiente marinho é outra preocupação. Quanto mais tempo essas fibras permanecerem no ambiente, mais provável é que sejam ingeridas por organismos marinhos.

Os plásticos biodegradáveis reduziriam o tempo em que os materiais plásticos passam no ambiente. No entanto, assim como os plásticos convencionais, os bioplásticos ainda precisam ser descartados corretamente. Mas a pesquisa descobriu que os rótulos e instruções em muitos produtos biodegradáveis são frequentemente confusos e enganosos.

Em um estudo com 9701 cidadãos do Reino Unido, muitos relataram não ter entendido o significado dos rótulos de plásticos degradáveis, compostáveis e biodegradáveis. Isso pode levar ao descarte incorreto de plásticos biodegradáveis e não biodegradáveis. O plástico que é liberado no ambiente pode não se decompor e, em vez disso, se desintegrar em pequenos pedaços de microplástico.

O ácido polilático pode se decompor em plantas de compostagem industrial especializadas, mas mesmo assim, nem todos os processos de compostagem podem lidar com todos os tipos de bioplástico. O material plástico tem que atender a critérios específicos e produzir compostagem de um padrão mínimo.

À medida que o mundo usa mais plástico biodegradável, precisamos garantir que a pegada ambiental deste material seja minimizada. Com isso em mente, melhorar a rotulagem e as instruções de descarte e melhorar o acesso à compostagem industrial poderia ajudar.

Fonte: https://phys.org/news/2023-05-biodegradable-plastic-doesnt-quickly-hopednew.html

continua após a publicidade