Um novo estudo global feito pela revista científica JAMA Pediatrics identificou que pelo menos um terço de meninas na infância e adolescência (6 aos 18 anos) sofre com algum tipo de transtorno alimentar.

Muitas vezes esses transtornos ficam escondidos, então os pais devem estar atentos para alterações no comportamento de suas filhas quando eles retornam do serviço com pintura industrial para passar um tempo em casa.

Essa média não só é maior do que a de meninos que sofrem com esse tipo de transtorno, mas é também maior do que a média geral para crianças e adolescentes.

A pesquisa contou com o apoio de diversas universidades e instituições no mundo todo, como:

  • Harvard, nos EUA;
  • Castilla-La Mancha, na Espanha;
  • Cambridge, no Reino Unido;
  • Londrina, no Brasil.

Esse grupo avaliou uma série de pesquisas sobre o tema que foram publicadas nos últimos anos, totalizando 16 países no processo. Os resultados encontrados são bastante preocupantes, e devem ser levados em conta por governos e instituições privadas.

A infância é um período de desenvolvimento, e os transtornos alimentares nessa fase podem ser muito danosos para a pessoa no futuro, e em alguns casos até fatal.

Por isso, conhecer melhor o que são os transtornos alimentares e como lidar com eles é muito importante para a prevenção e cuidados, principalmente se você convive com uma garota na faixa de risco.

Uma pessoa que se atenta aos comportamentos da criança consegue trabalhar com mais qualidade em sua empresa de termopar tipo J, uma vez que sabe que a criança está em segurança.

Um transtorno alimentar é uma doença que se categoriza como um transtorno mental, que faz com que a pessoa não consiga alimentar-se adequadamente por algum motivo.

Existem diversos transtornos dentro desse espectro, com diferentes sintomas e ações, mas é importante entender que eles afetam diretamente a alimentação da pessoa que está passando por ele.

Embora seja comum que esses transtornos surjam da distorção da imagem corporal, esse não é o único motivo pelo qual os transtornos podem surgir. Em mulheres, há uma pressão da sociedade para o corpo perfeito.

Essa definição de corpo perfeito por si só é errada, uma vez que estabelece padrões irreais, aos quais as meninas em fase de desenvolvimento, que sentem as mudanças em seus corpos, acabam lutando para conseguir.

Em uma rotina complexa, é importante saber trabalhar com ensaios não destrutivos e manter-se saudável e com uma boa qualidade de vida.

Nessa luta, é comum encontrar problemas de alimentação, que podem se ampliar para transtornos e causar debilitação física e mental ao longo do tempo, por isso é muito importante ficar atento a sinais desse tipo de atividade.

Principais tipos de transtorno alimentar

Conhecer alguns dos principais transtornos alimentares existentes e seus sinais é uma ótima maneira de ficar atento para ajudar meninas que se encontrem nessa situação. Esses transtornos podem ser muito diferentes entre si, mas igualmente perigosos.

É importante avaliar cada pessoa singularmente e entender que esse tipo de transtorno pode surgir de uma série de maneiras, então é bom prestar atenção no seu trabalho de alinhamento a laser e nas pessoas ao seu redor.

Dessa forma, você consegue criar uma rede de apoio do qual a pessoa pode depender, e consegue trabalhar com mais qualidade nesse tipo de ação, garantindo uma recuperação do transtorno com ajuda profissional e apoio familiar.

Anorexia

Um dos transtornos mais conhecidos entre os profissionais, a anorexia é um dos tipos mais comuns de problema alimentar e já tem sido estudado a muito tempo, apresentando muito mais informação.

Essa é uma das condições com maior taxa de mortalidade, por isso é importante que você busque ajuda aos primeiros indícios do transtorno. A anorexia é o ato de restringir a alimentação.

Isso começa com o corte de alimentos calóricos ou com muita gordura, mas conforme a doença se agrava, as restrições ficam cada vez mais pesadas, ao ponto em que a pessoa para de se alimentar.

Para um profissional de medidor de vazão ultrassônico, a alimentação é fundamental para dar energia e saúde para a execução do trabalho, e por isso é importante se atentar a sinais de que algo está diferente na alimentação.

Enquanto ela perde peso muito rápido, a mente distorce a imagem corporal para que ela se entenda como gorda e continue restringindo os alimentos, lavando-a a ficar muito doente.

Pessoas com anorexia costumam ser muito resistentes em estágios iniciais de tratamento, por isso a agilidade é uma peça-chave no tratamento desse transtorno.

Bulimia

A bulimia é outra doença muito comum, que afeta diversas meninas. Nesse caso, a perda de peso não é tão evidente, e em muitas situações a pessoa continua acima do peso.

Isso pode causar uma série de problemas, e é importante procurar ajuda para você conseguir trabalhar com uma masseira industrial de forma adequada.

Isso torna mais difícil identificar o transtorno, mas o incômodo constante com o peso e sinais de irritabilidade por não estar emagrecendo podem ser indicativos do transtorno alimentar.

A bulimia é dividida em duas etapas distintas. Na primeira, há um consumo em demasia de um determinado produto, normalmente um item que é restrito na dieta da pessoa.

Isso é um reflexo da proibição, que torna o momento da alimentação muito prazeroso. Entretanto, logo depois de se alimentar, o segundo estágio da bulimia começa. A culpa por se alimentar em excesso começa a tomar a pessoa.

Como uma forma de eliminar aquele alimento do organismo, a pessoa procura alguma maneira de remover aquele alimento de seu organismo, sendo um dos métodos mais comuns a indução do vômito.

Existem outras maneiras de fazer isso, como o uso de medicamentos laxantes ou fazer exercícios físicos além do limite saudável.

Um dos principais itens da bulimia é o fato de a pessoa sentir vergonha de suas ações, e por isso fazer esse tipo de atividade em segredo, sem que seus amigos do trabalho de inspeção NR 13 ou familiares tenham consciência.

Compulsão alimentar

No caso da compulsão alimentar, o transtorno lida com os excessos. Uma pessoa que possua compulsão come quantidades enormes de comida sempre que tem a possibilidade.

Em alguns casos, a pessoa é capaz de ingerir mais de 10 mil calorias em alguns minutos, ainda que a média diária recomendada para um adulto seja apenas 2 mil calorias.

Nesse caso, diferente dos anteriores, não há uma tentativa de eliminar ou restringir os alimentos. Trata-se de uma reação a outras questões psicológicas, como ansiedade e estresse, que acabam gerando esse gatilho.

Muitas pessoas que possuem compulsão alimentar podem ter problemas com estágios graves de obesidade, o que as torna muito mais propensas a outras doenças e complicações ao longo da vida.

É importante entender que a compulsão alimentar é um processo que se repete. Um exagero em um restaurante de rodízio ou em um churrasco de família dificilmente se encaixa nesse contexto do transtorno alimentar.

Pessoas com compulsão costumam consumir grandes quantidades de comida mesmo quando estão sozinhas ou com pouca companhia, tornando esse tipo de prática comum.

A alimentação adequada é muito importante para qualquer pessoa, como um profissional de chave fim de curso, mas ela deve ser feita com cuidado para evitar excessos.

Tare

A sigla, que significa Transtorno Alimentar Restritivo Evitativo, é muito comum entre crianças, e por isso requer um cuidado maior para evitar problemas no futuro. Trata-se de um transtorno que impede a pessoa de comer alimentos de um grupo específico.

Os motivos são diversos, e podem estar direcionados a cor, textura ou até mesmo a temperatura dos alimentos. Nos primeiros anos de vida, não é incomum determinar preferências, mas esse tipo de transtorno pode gerar deficiência em alguns nutrientes.

Quando a criança não se alimenta de itens essenciais para seu dia, ela acaba perdendo qualidade em seu desenvolvimento, o que torna essencial que os pais fiquem atentos a esse tipo de situação.

Ruminação

A ruminação é um transtorno que consiste em regurgitar parte da última refeição para mastigá-la novamente. Embora algumas pessoas prefiram cuspir o conteúdo, outras o engolem novamente.

Esse é um processo repetitivo e não está ligado a nenhuma doença como o refluxo, tratando-se de um sinal de comportamento que pode ser danoso para a pessoa.

Normalmente o volume de alimentos que volta à boca é muito menor do que o ingerido, o que faz com que a pessoa consiga disfarçar a ação através de tosses ou cobrindo a boca.

Esse tipo de transtorno pode provocar uma série de doenças, principalmente entre a região da boca e garganta.

Considerações finais

Os transtornos alimentares são diversos e podem ter um impacto direto no dia a dia das mulheres, principalmente as mais jovens. Por isso, buscar ajuda é o primeiro passo para mais saúde e qualidade de vida.

O tratamento psiquiátrico é o caminho mais adequado para esse tipo de ação. Um profissional saberá indicar os melhores tratamentos e até mesmo medicamentos, caso seja necessário.

Em casos mais graves, pode ser necessária a internação da paciente até que ela consiga voltar a ter mais controle para voltar a se alimentar corretamente.Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Artigo anteriorComo os indígenas ajudam na preservação da biodiversidade brasileira?
Próximo artigoComo organizar as finanças pessoais? 6 dicas
Avatar
Formado em Jornalismo e Comunicação Social. Assessor digital pela equipe Guia de Investimento. Meu compromisso é entregar conteúdos de qualidade para diversos setores, entre os principais: Tecnologia, finanças e meio ambiente.