Engenheiro ambiental, Amir Musleh na fazendinha
Engenheiro ambiental, Amir Musleh na fazendinha

Focado em sustentabilidade, o Grupo Polar criou o departamento de socio eficiência em 2021 com objetivo de realizar ações de gestão ambiental e ecoeficiência, para a melhoria dos processos internos da companhia. Essa discussão dentro da empresa sempre permeou as áreas ambientais e econômicas, nunca se dissociando, portanto, da responsabilidade social. Por conta disso eles estão sempre visando melhores práticas e conformidades legais para desenvolverem os produtos.

Inovando no mercado, a empresa desenvolveu o Ice Foam Eco — gelo utilizado no transporte de medicamento —, de forma que não seja necessário destinar para aterros, mas ser reintroduzido na economia de forma circular, depois da sua vida útil. O produto, que em breve estará no mercado, pode virar substrato agroflorestal através de processos com gerenciadores de resíduos orgânicos e recicláveis. Segundo o engenheiro ambiental, Amir Musleh, responsável pelo departamento de socio eficiência, foi desenvolvido um processo biológico de misturas para transformar o produto em um substrato útil.

Gestão de resíduos

Além disso, nesse último ano, o Grupo Polar vem focando na gestão de resíduos da sua operação. O objetivo é que os resíduos, que têm valor para economia, não sejam aterrados. Isso é fruto do projeto que tem como meta o aterro zero. Estão sendo desenvolvidos produtos para melhorar o pós-consumo do cliente, podendo ser destinados para diversas formas de reciclagem e reaproveitamento, assim evitando a recuperação energética e também o aterro. De acordo com Musleh, todas as visões da Polar estão enfocadas nos objetivos do desenvolvimento sustentável. “Nosso objetivo é melhorar a colaboração para 2025 e 2030, que é o foco do pacto global da ONU”, afirma.

Viabilizando ações para gestão de resíduos pós-consumo, o Grupo investiu na logística reversa através da parceira EuReciclo. “Hoje, compensamos 100% dos nossos produtos acabados destinados ao mercado em termos de embalagens pré e pós-consumo, ou seja, em 2020 colocamos em torno de 554 toneladas de produtos acabados no mercado e tudo foi compensado”, explica Musleh.

Economia circular

Um outro projeto que vai começar este ano é a Fazendinha, que conta com a parceria da associação ARCAH, que implantará a ação através da educação para pessoas em situação de vulnerabilidade, todo o preparativo da área de cultivo já está sendo feita com o substrato contendo a espuma do Ice Foam Eco. Segundo Musleh, esse plano começou com o intuito de mostrar ao mercado como funciona a economia circular. “A espuma que cumpriu seu objetivo é destinada para produtores de composto e substrato, que conseguem fazê-la ter um valor econômico e nutritivo para as plantas. Assim, se torna uma alternativa ou complemento aos fertilizantes e adubos. Essa ação será implementada em uma área, demonstrando de forma prática, que o cultivo é viável com esse resíduo, que pode ser usado como substrato”, finaliza.

Na Fazendinha, além do plantio ser usado como forma para reabilitar pessoas, também foi feita uma parceria com a Instituição IAM de São Bernardo. Crianças desta Instituição vão passar um dia (27 de maio) de imersão de plantio com o intuito da valorização do alimento através da educação ambiental. Depois desse plantio, todas as colheitas realizadas são destinadas a um projeto da IAM para entregar refeições as crianças e pessoas que estão em situação de vulnerabilidade na comunidade ao redor da Instituição.

Gostou dessas dicas? Se sim, compartilhe com seus familiares e amigos, e também em suas redes sociais. Receba conteúdo gratuito, diariamente, e siga-nos no Google News.