sustentabilidade

De acordo com a língua portuguesa, o termo sustentabilidade significa qualidade necessária à preservação da vida, capacidade de criar estratégias de manter um presente que não afete as futuras gerações.

Na área da saúde, a definição se encaixa perfeitamente à principal tarefa dos hospitais, clínicas e medicações: cuidar do bem-estar e longevidade das pessoas. 

Entretanto, mesmo que existam essas soluções que tratem doenças, o ideal é preveni-las com mudança de hábitos.

É recomendável cuidar-se ao invés de tratar-se, para isso, manter uma alimentação equilibrada, praticar exercícios físicos e promover a harmonia entre o corpo e a mente são tarefas necessárias ao longo da vida.

Outro fator essencial é viver em ambientes saudáveis, isso auxiliará na prevenção contra doenças psicossomáticas, ou seja, desajustes emocionais que prejudicam o funcionamento do corpo, além de influenciar na preservação do sistema respiratório.

Entretanto, nem sempre esses são pontos a serem controlados, às vezes, com o surgimento de uma doença, é necessário contar com a ajuda de uma farmácia popular que venda medicamentos efetivos e a preços acessíveis.

Nesses casos, o recomendável é optar sempre por alternativas sustentáveis, como remédios manipulados, pois eles são fabricados de acordo com as necessidades de um paciente, na quantidade exata, evitando descartes e acúmulos desnecessários.

Além de farmácias populares, existem também alguns comércios eletrônicos farmacêuticos, como farmácia entregas a domicílio, que oferecem boas opções de tratamentos por valores menores e, algumas vezes, até mesmo com frete grátis.

A junção de um estilo de vida e de escolhas terapêuticas sustentáveis, consequentemente, aumenta a longevidade e diminui taxa de mortalidade populacional, trazendo os seguintes benefícios à saúde:

  • Aumento da energia e proatividade;
  • Equilíbrio físico e psicológico;
  • Melhor funcionamento do organismo;
  • Sensação permanente de bem-estar;
  • Prevenção de doenças crônicas.

Mesmo seguindo todas essas recomendações é possível que em algum momento, surja a necessidade de procurar ajuda de uma equipe médica para obter alívio, controle ou cura de uma enfermidade.

Em casos como esse, a sustentabilidade hospitalar e clínica também deve ser um pilar indispensável. 

Hospitais sustentáveis tratam os problemas das pessoas, ao mesmo tempo em que auxiliam o meio ambiente com as seguintes escolhas.

Climatização da sustentabilidade

Além dos hospitais, existem as clínicas que atendem demandas específicas da medicina. Elas possibilitam o atendimento individualizado e focado apenas em um problema pontual indicado pelo paciente.

Uma clínica de fertilização, por exemplo, busca realizar o sonho de um casal que deseja gerar um filho. Para isso, contam com a doação de óculos, bancos de sêmen, doação de embriões, entre outros.

Para que todas essas alternativas funcionem no organismo dos pacientes, é primordial que a clínica se atente a alguns cuidados. 

O sêmen só pode ser preservado em temperaturas extremamente baixas, portanto, deve ser congelado. Esse processo de congelamento, consequentemente, traz riscos à eficiência. 

Para que tudo ocorra conforme o esperado, é essencial prezar por métodos sustentáveis, como a identificação precisa das palhetas, que evitarão manuseios desnecessários e possíveis ameaças à efetividade.

Economia de energia na sustentabilidade

Hoje em dia, é comum que todos os estabelecimentos voltados ao atendimento utilizem por um longo período, computadores, ar-condicionado, luzes potentes e tudo que envolva energia elétrica.

Em um ambiente médico, como uma clínica ginecológica, por exemplo, esses são fatores indispensáveis para um bom atendimento e bem-estar do paciente. 

Ao examinar a região íntima feminina, é essencial que o profissional mantenha alguns protocolos sanitários.

Além da higiene das mãos e dos equipamentos médicos, é essencial que a climatização do ambiente esteja adequada, com filtros que inviabilizam a invasão de fungos e bactérias prejudiciais à saúde humana.

Uma solução sustentável para isso é aderir a resfriadores de ambiente, que demandam bem menos energia, mantém a temperatura ideal, renovam e purificam a qualidade do ar interno de forma eficiente.

Projeto arquitetônico sustentável

Os cuidados com tratamentos, higiene e atendimentos sustentáveis são primordiais, mas nada disso é válido sem um ambiente hospitalar preparado e pensado para os cuidados e preservação do meio ambiente.

O uso inteligente de recursos naturais é essencial em um projeto arquitetônico. De acordo com um relatório global da ONU, de 2017, as construções civis são responsáveis por 35% do uso de energia e 40% da emissão de gases relacionados ao uso dessa energia.

Diante desse cenário, é essencial a preocupação de todas as fases de um projeto arquitetônico, desde a sua idealização, até a sua realização. Preocupar-se com detalhes do presente, com certeza, resultará em bons resultados futuros.

Em ambientes hospitalares, por exemplo, o uso de materiais como divisória drywall pode ser uma boa alternativa sustentável. As placas de gesso utilizadas para separar espaços e isolar ruídos trazem diversos benefícios.

Além de serem recicláveis, as divisórias exigem menos água em sua composição, agilizam processos de construção, reduzem o consumo de ar-condicionado dos ambientes, e têm um volume menor de resíduos, o que facilita o seu descarte.

Redução do uso de papel  

Outro ponto de atenção sobre a sustentabilidade hospitalar é o uso do papel. 

Além da utilização em alguns procedimentos, como a lavagem de mãos e uso dos banheiros, as folhas derivadas de celulose ainda estão presentes em outros âmbitos hospitalares e clínicos.

Impressões de exames, protocolos, senhas para atendimentos, folhetos e materiais de identidade visual da instituição de saúde são necessidades diárias que precisam ser controladas, e se possível contornadas.

Uma alternativa, por exemplo, é usar a tecnologia a favor de todos esses processos. Isso pode ser feito com o uso de um cartão de visita criativo de um médico, que pode ser enviado via web, por e-mail, mídias sociais ou plataformas de contato.

Além disso, todos os documentos e prontuários podem ser digitalizados, evitando assim, a necessidade de centenas de impressões durante os atendimentos, e consequentemente, o aumento do lixo.

Descarte adequado

Antes de um descarte adequado é primordial priorizar o uso de materiais que possam ser reciclados e facilmente reaproveitados para sustentabilidade. Essa substituição pode ser feita com pequenos detalhes da rotina hospitalar.

Em vez de usar pastas de plástico, por exemplo, é recomendável prezar pela aquisição de uma  pasta catálogo personalizada, feita com substâncias biodegradáveis ou com envelopes de papéis reciclados.

Considerando que qualquer objeto derivado do plástico, geralmente, leva cerca de mais de 400 anos para se decompor, é essencial prezar pela utilização do papel reciclado, que tem seu tempo de decomposição de três a seis meses.

Nos últimos tempos, diversas opções ecológicas têm surgido e trazido soluções ambientais sustentáveis à sociedade. 

Além de pastas, sacolas, copos plásticos, canudos, talheres, pratos e até mesmo cosméticos começaram a aderir a substâncias biodegradáveis.

Limpeza sustentável

A começar pela utilização dos produtos de higiene na sustentabilidade, uma limpeza sustentável exige diversos cuidados, principalmente em ambientes clínicos e hospitalares, que precisam ser constantemente desinfectados.

Essa cautela deve estar presente até mesmo no serviço de higienização de bancos. Para bons resultados, a equipe de limpeza precisa estar atenta a detalhes como a utilização de água, o excesso de produtos e uso de energia elétrica.

O gerenciamento de água deve estar atrelado ao uso de produtos concentrados, por exemplo. 

A partir disso, será possível economizar financeiramente, utilizar menos substâncias químicas e conquistar resultados satisfatórios.

A reutilização de embalagens também é um tópico a ser considerado na sustentabilidade. Com a compra de refis, é possível adquirir o mesmo produto, por valor inferior e mesma eficiência. A alternativa ainda gera menor número de lixo não degradável, como o plástico.

A presença de produtos de limpeza biodegradáveis, feitos de substâncias totalmente naturais, tem sido cada vez mais comum. Soluções de higiene como essas preservam o meio ambiente e evitam a emissão de agentes poluentes ao planeta.

Considerações finais

Sendo assim, como mencionado anteriormente, o termo sustentabilidade tem a ver com o ato de cuidar do presente para garantir um futuro. 

Essa é exatamente a função de uma equipe de profissionais médicos, zelar pela saúde de um paciente, aumentando sua qualidade e expectativa de vida.

Pensando nisso, é primordial que um hospital aplique o conceito sustentável não só aos atendimentos, tratamentos e procedimentos realizados, mas a todas as etapas e áreas responsáveis pelo seu funcionamento diário.

Isso envolve a recepção, médicos, responsáveis pela limpeza, manutenção e até mesmo construção do ambiente hospitalar. Tudo é uma cadeia que merece atenção e cuidado, para um bom desempenho.

Por serem espaços responsáveis por promover o cuidado à sociedade, os hospitais têm por obrigação estarem atentos às precauções que podem ser tomadas para a preservação do meio ambiente em que essas pessoas vivem.

Mudanças de hábitos e de pensamentos promovem revoluções, portanto, é importante que todas as equipes sejam treinadas a aderir a sustentabilidade em todos os processos realizados durante a rotina profissional.    

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.

Gostou dessas dicas? Se sim, compartilhe com seus familiares e amigos, e também em suas redes sociais. Receba conteúdo gratuito, diariamente, e siga-nos no Google News.