Meio Ambiente

Economias emergentes precisarão dobrar seus investimentos em energia nas próximas décadas, segundo Bain&Company

Estudo realizado em parceria com o World Economic Forum estima que serão necessários US$495 bilhões anuais em 2040 para satisfazer a demanda energética dos países subdesenvolvidos

Um estudo realizado pela Bain & Company que apresentado no World Economic Forum em Davos revela que até 2040, os países não pertencentes à OCDE precisarão dobrar seus investimentos em energia para conseguirem atender às demandas crescentes de suas economias, passando de US$ 250 bi para US$495 Bi anuais, em decorrência do efeito combinado de fatores como o crescimento das populações, o aumento do consumo e o aumento do investimento em energias renováveis – a expectativa é de que esse custo supere o dos países membros da OCDE numa proporção de 2 para 1 Historicamente, o setor público é responsável por 70% do fornecimento de eletricidade nos países não membros da OCDE, mas com a demanda por investimentos cada vez maiores torna-se inviável manter essa proporção. Além disso, o estudo da Bain estima que nos próximos 25 anos os mercados emergentes deterão maior capacidade de geração de energia renovável do que os seus homólogos desenvolvidos. Consequentemente, essas economias estão se voltando para os investidores nacionais e internacionais com o intuito de financiar a demanda por energia elétrica, suprindo o gap energético com suporte dos mercados de países desenvolvidos. No entanto, as economias em desenvolvimento podem encontrar dificuldades para atrair investidores privados, muitas vezes cautelosos com os retornos voláteis dessas economias, decorrentes da situação econômica instável e da existência de políticas e regulamentos opacos.

demanda energética

demanda energética

O estudo elaborado pela Bain&Company procura ajudar as economias emergentes a enfrentar esse desafio, trazendo oito práticas essenciais que podem ajudá-las a tornar seus mercados de energia mais atraentes para os investidores:

Para os legisladores:

Busca pelos caminhos mais eficientes para atingir objetivos políticos: os legisladores precisam desenvolver roteiros de longo prazo capazes de garantir o equilíbrio entre a geração renovável e convencional, centralizada e distribuída.

Desenvolvimento de políticas integradas que garantam o desenvolvimento paralelo da cadeia de valor energético

Para as agências reguladoras:

Aproveitamento do declínio da curva de declínio de custo tecnológico: o declínio de custos tem sido rapidamente impulsionado pelo ritmo de implantação global, de maneira que é importante capitalizá-lo, evitando o desejo de promover as tecnologias que provavelmente permanecerão com alto custo de implantação devido à falta de escala.

Proporcionar condições de concorrência equitativas para as tecnologias, refletindo redução das emissões carbono e segurança no abastecimento.

Garantia de operações tecnica e financeiramente viáveis ao longo da cadeia de valor: as agências reguladoras precisam se reunir com fornecedores para reduzir as perdas não calculadas e garantir que os subsídios tarifários sejam totalmente financiados.

Criar parcerias público-privadas eficazes para atrair o capital do setor privado: o setor privado deve buscar envolvimento com articuladores dos poderes executivo e legislativo para que as parcerias público-privadas sejam transparentes e independentes.

Para os investidores:

Alimentar um ambiente de negócios favorável ao investimento: para tanto, é importante colocar em prática medidas para reduzir o risco e diminuir os custos de capital, alocando os riscos residuais para os mercados mais adequados.

Investir em educação, pesquisa e desenvolvimento.

“À medida que as grandes economias emergentes percebem que seus mercados de energia não conseguirão crescer sem injeção de capital privado, elas terão que se equipar para enfrentar a concorrência crescente por recursos, na medida em que passarão a competir tanto com outros mercados em desenvolvimento quanto com países da OCDE. Vencerão a corrida os países que conseguirem adotar uma postura disciplinada e focada em resultados a longo prazo” analisa Antonio Farinha, sócio da Bain & Company.

Sobre a Bain & Company, Inc.
A Bain & Company, empresa líder global em consultoria de negócios, orienta clientes em relação a estratégias, operações, tecnologia, constituição de empresas, fusões e aquisições, desenvolvendo práticas que assegurem aos clientes transparência nos processos de mudança e tomada de decisões. A Consultoria trabalha em sinergia com os clientes, vinculando seu fee aos resultados. O desempenho dos clientes da Bain superou o mercado de ações em 4 para 1. Fundada em 1973, em Boston, a Bain conta com 50 escritórios em 32 países e já trabalhou com mais de 4.600 empresas entre multinacionais e companhias privadas e públicas em todos os setores da economia. Para mais informações, acesse: www.bain.com.br. Twitter: @BainAlerts.

Vagner Liberato

Sobre o autor | Website

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro. Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável. Desde 2015 faço o Meio Ambiente Rio com maior prazer! Para falar comigo, entre em contato pelo email: contato@meioambienterio.com

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.