Meio Ambiente

5 Maneiras de Falar Com Seus Filhos Sobre Bullying (#Leia a Dica Nº5)

Bullying é um problema mundial, sendo que a agressão física ou moral repetitiva deixa sequelas psicológicas na pessoa atingida

Bullying é um anglicismo utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica intencionais e repetidos, praticados por um indivíduo ou grupo de indivíduos, causando dor e angústia e sendo executadas dentro de uma relação desigual de poder.

O termo com esta definição foi proposto após o Massacre de Columbine, ocorrido nos Estados Unidos no ano de 1999, pelo pesquisador sueco Dan Olweus, a partir do gerúndio do verbo inglês to bully (que tem acepção de “tiranizar, oprimir, ameaçar ou amedrontar”) para definir os valentões que, nas escolas, procuram intimidar os colegas que trata como inferiores.

Embora o termo tenha seu uso bastante recente, o fenômeno é bastante antigo e encontra relatos na literatura que datam de mais de cem anos; a prática tem um grande poder de destruir a auto-estima da vítima, pois esta precisa permanecer no ambiente escolar e enfrentar todos os dias as humilhações diante de todos os colegas.

Em 20 por cento dos casos, o praticante de bullying também é vítima. Nas escolas, a maioria dos atos de bullying ocorre fora da visão dos adultos e grande parte das vítimas não reage ou fala sobre a agressão sofrida.

Assédio moral colegial, quer se trate de uma briga on-line ou ostracismo no refeitório, é bastante comum. Mas, apesar de sua prevalência, o bullying pode ser um tema difícil de discutir. Isso porque as crianças geralmente não diga adultos que estão sendo intimidado, disse Robert Faris, professor associado de sociologia na Universidade da Califórnia, Davis.

 

Aqui estão cinco maneiras pais podem detectar e discutir o bullying com os seus filhos, incluindo maneiras de descobrir se seu filho é o autor ou o alvo.

1 – Olhe Para Os Sinais

Em um determinado momento, cerca de 30 por cento dos estudantes do ensino médio estão envolvidos em comportamento agressivo, assédio moral, e outros 30 por cento (com alguma sobreposição entre os dois) são alvo de intimidações, Faris disse Ciência Viva. “A essência de bullying é que é danos intencionais fazendo, crueldade intencional contra as pessoas que têm dificuldade em se defender “, disse Faris.

Esta maldade pode tomar um pedágio. A maioria das crianças que são maltratadas mostram sinais de abstinência , rajadas de emoção e mudanças na amizade, ele disse. Eles também podem começar a pular atividades de classe ou extracurriculares, acrescentou.

No entanto, estes são também sinais de que qualquer típico, adolescente temperamental pode mostrar.

Portanto, se um pai percebe essas mudanças, é importante que eles pedem seu filho o que está acontecendo, disse Faris.

2 – Não chamá-lo de “intimidação”

Os pais não devem pedir seu filho abertamente sobre o bullying. “Seria um erro para mergulhar na direita e perguntar sobre ser intimidado”, disse Faris. “Na verdade, eu nem usar esse termo, porque as crianças não usam esse termo.

Eles são mais propensos a descrevê-lo como” drama “ou” carne “ou” falar s — ‘. ” Mesmo se o filho está sendo intimidado, reconhecendo-lo usando a palavra “tirano” implica uma impotência que ele ou ela pode não querer reconhecer, disse Faris. Outras palavras não necessariamente tem essa conotação, disse ele.

Em vez disso, os pais podem pedir aos seus filhos perguntas indiretas que podem ajudá-los a se abrir. Por exemplo, “perguntar o que está acontecendo com o amigo que é tudo de uma MIA súbita”, disse Faris. Ou, perguntar-lhes porque eles estão ignorando uma atividade que apreciou uma vez.

Alternativamente, os pais podem pedir que os amigos da sua criança o que está acontecendo. Se o amigo se sente confortável, ele ou ela pode anonimamente, ou mesmo em confiança, explicar o que está acontecendo.

3 – Construir habilidades de enfrentamento

Habilidades de enfrentamento pode ajudar as crianças a lidar com situações de bullying. Por exemplo, se o seu filho fazer uma consulta com um conselheiro da escola , que pode manter um registro do incidente (s) bullying e também ajudar a criança a avaliar a situação e pensar em maneiras de lidar com ele, disse Faris.

Ele ajuda se o filho está envolvido em atividades extracurriculares e tem amigos fora da escola. “Se as coisas azedar na escola, as crianças podem se sentir como toda a escola está contra eles”, disse Faris. “Se eles têm uma atividade fora da escola ou amigo, eles podem mudar a sua energia para isso.

Também é importante lembrar a criança que existe vida após o ensino médio e do ensino médio. Às vezes, as crianças podem ser míope, Faris disse, e lembrando-lhes que a vida é uma longa viagem vai ajudá-los a ter uma visão de longo prazo, disse ele.Se o assédio moral não pára, e a escola não está sendo favorável, que poderia ser melhor que mudar de escola, disse Faris.

4 – Entenda por que o bullying acontece

Alguns agressores são realmente alpinistas-escala social disfarçados. “Eles muitas vezes não está mexendo com as crianças que são vulneráveis ou com deficiência mental”, disse Faris. “Eles estão mexendo com as crianças que são seus rivais. Não é devido à empatia déficits tanto como a competição por status.” Muito do trabalho acadêmico Faris ‘é uma resposta à ideia de que os bullies são movidos por deficiências psicológicas, como baixa empatia ou alta reatividade emocional (uma intensa reação a um estímulo). “Essas são razões, mas eles não são os únicos”, disse Faris. “O que eu achei é, como crianças aumentar seu status social, o seu comportamento bullying tende a aumentar, bem como, até se aproximar do topo.” Faris e seus colegas estudantes pesquisados em 19 escolas, pedindo aos alunos sobre as crianças que intimidado e que intimidava eles.

Em seguida, os pesquisadores avaliaram que era popular , olhando para anuários, que inclui royalties regresso a casa e quem é eleito “o melhor” por seus colegas de classe, em categorias como melhores olhos ou melhor cabelo.

As crianças mais populares estavam no percentil 100, disse ele. Agressivo, comportamentos de bullying em alpinistas sociais tendem a atingir o pico, quando as crianças estavam no percentil 94 em popularidade, e, em seguida, esses comportamentos despencou, os pesquisadores descobriram.

As crianças mais populares, que eram muitas vezes no centro das redes sociais da escola, foram os menos propensos a se envolver em atos de bullying, disse Faris. “Uma vez que estão no topo, eles não precisam desses comportamentos”, disse ele. “Eles têm o luxo de ser amável, que solidifica a posição.” Além disso, essas crianças não têm necessariamente de chegar ao topo por assédio moral.

Às vezes, eles eram atletas populares ou conhecido por ser gentil e de saída. A pesquisa mostrou que o bullying obras, pelo menos para alpinistas sociais, Faris disse. Aqueles que intimidado seus pares populares, muitas vezes acabou em círculos sociais de elite, afirmou. Isto explica porque alguns valentões e metas têm amizades mercurial – eles estão visando muitas vezes uns aos outros para subir a escada social, disse ele.

5 – E se o seu filho é o agressor?

Se uma criança é um valentão, é melhor para descobrir o que está dirigindo esse comportamento, disse Faris. Por exemplo, uma abordagem diferente serão necessários dependendo se a criança é o assédio moral crianças na parte inferior da hierarquia, ou se a criança é alvo pares de subir a escada social.

Depois de falar com seus filhos sobre o problema, os pais podem ajudar, dando um bom exemplo, disse Faris.

Por exemplo, “Você está fofocando sobre outros pais na frente de seus filhos? Você cobiçam do seu vizinho novo Honda Odyssey? Você tenta um-up seus amigos com suas roupas, sua cirurgia plástica ou sua carreira?” Perguntou Faris.

Se estiver, tentar reavaliar suas atitudes e comportamentos , e incentivar o seu filho a fazer o mesmo, disse ele.

Com as informações Meio Ambiente Rio

Tags
Ler matéria completa

Vagner Liberato

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro.
Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável.
Desde 2015 faço o Jornal Sustentabilidade com maior prazer!

Para falar comigo, entre em contato pelo email:
contato@meioambienterio.com

Related Articles

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close

Adblock Detected

Please consider supporting us by disabling your ad blocker