Meio Ambiente

As drogas farmacêuticas no ambiente afetam o crescimento das plantas

Avaliar postagem!

De acordo com um estudo conduzido por pesquisadores da Universidade de Exeter e da Universidade de Plymouth e publicado recentemente no Journal of Ecotoxicology and Environmental Safety , traços de fármacos liberados para o meio ambiente podem causar mudanças no crescimento da planta .

“As enormes quantidades de produtos farmacêuticos que usamos acabam por chegar ao meio ambiente, mas sabemos muito pouco sobre seus efeitos na flora e na fauna”, disse a pesquisadora Clare Redshaw.

Os cientistas descobriram que mesmo com as concentrações de rastreamento normalmente encontradas no ambiente, os anti-inflamatórios não-esteróides (AINEs) produziram mudanças nos padrões de crescimento das culturas alimentares.

Os AINEs, usados ​​como anti-inflamatórios e analgésicos, estão entre os medicamentos mais utilizados no mundo. A família inclui aspirina e ibuprofeno. Mais de 30 milhões de prescrições de AINEs são emitidas diariamente, e muitas das drogas também estão disponíveis ao balcão.

“À medida que as populações envelhecem e os medicamentos genéricos ficam prontamente disponíveis, o uso farmacêutico aumentará dramaticamente e é essencial que tomemos medidas para limitar a contaminação ambiental”, disse Redshaw. “Nós não consideramos o impacto sobre a saúde humana neste estudo, mas precisamos melhorar nosso entendimento rapidamente para que testes e controles apropriados possam ser implementados”.

O uso de AINEs leva à poluição da água

Pesquisas anteriores provaram que, após tomar medicamentos, as pessoas excretam vestígios dessas drogas e seus metabólitos de volta ao meio ambiente através da urina. Muitos destes produtos químicos não são removidos durante o tratamento de águas residuais e, assim, fazem o seu caminho para o meio ambiente e para a água ou lodo de esgoto que é usado para irrigar as culturas alimentares.

Leia agora  Como sol, sal e vidro pode ajudar a resolver nossas necessidades energéticas

Num estudo de 2012 encomendado pela Agência Sueca de Protecção Ambiental, foram detectados vestígios do diclofenac AINE em águas residuais, águas superficiais, água potável e peixes selvagens.

“Estamos conscientes do problema com diclofenac”, disse Jerker Fick da Universidade de Umea.

“Depois de tudo, estes são os peixes capturados no estado selvagem, e as amostras mostram que há drogas que são difíceis de quebrar, que o tornam através de estações de tratamento de águas residuais, [ sic ], e que eles são bioacumulados pelos peixes.”

O novo estudo está entre os primeiros a analisar, no entanto, o impacto que esta poluição farmacêutica está a ter nas culturas alimentares humanas.

Impacto da saúde e do ambiente

Os pesquisadores expuseram as culturas de rabanete e alface a vários AINEs: diclofenaco (os nomes comerciais incluem Aclonac, Cataflam e Voltaren), ibuprofeno (os nomes comerciais incluem Advil e Motrin), ácido meclofenâmico (comercializado como Meclomen), ácido mefenâmico (comercializado Ponstel e Ponstan ), Naproxeno (os nomes comerciais incluem Aleve) e ácido tolfenâmico (os nomes comerciais incluem Clotam Rapid e Tufnil).

As plantas foram então monitorizadas quanto a alterações nas variáveis ​​relacionadas com o crescimento, incluindo tamanho, teor de água, comprimento da raiz, comprimento da parte aérea e eficácia da fotossíntese. Os pesquisadores descobriram que cada droga tinha um impacto específico em cada planta. Por exemplo, fármacos com ácido fenâmico afetaram o crescimento radicular em rabanetes, enquanto o ibuprofeno afetou o desenvolvimento inicial da raiz em alface.

Os resultados adicionam a uma preocupação crescente sobre os efeitos da poluiçãofarmacêutica dos medicamentos mais comuns. Um estudo multicêntrico publicado na revista Environment International em agosto de 2014, por exemplo, descobriu que a contaminação por ibuprofeno está realmente envenenando peixes em 50 por cento dos segmentos de rio estudados.

Leia agora  Prefeito do Rio inaugura Arena Carioca 3 no Parque Olímpico da Barra

“Os resultados de nossa pesquisa mostram que devemos estar prestando muito mais atenção aos impactos ambientais de drogas como o ibuprofeno que estão disponíveis gratuitamente em supermercados, químicos e em outros lugares”, disse o pesquisador Alistair Boxall.

O estudo do Ambiente Internacional foi realizado por pesquisadores da Universidade de York, F. Hoffmann-La Roche Ltd., o Centro de Ecologia e Hidrologia do Reino Unido e a Agência de Pesquisa de Alimentos e Meio Ambiente.

Sobre o autor | Website

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro. Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável. Desde 2015 faço o Meio Ambiente Rio com maior prazer! Para falar comigo, entre em contato pelo email: contato@meioambienterio.com

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.