Setor de biodiesel depende de novo marco regulatório para crescer no brasil

0

Por Daniel Fraiha e Luigi Mazza / Petronotícias – 

Erasmo BattistellaCompetitividade e políticas de regulação. São essas as duas principais demandas do mercado brasileiro de biodiesel, que, apesar do crescimento no consumo e na produção ao longo dos últimos anos, enfrenta ainda dificuldades para se estabilizar no país. Com enorme potencial para o desenvolvimento de combustíveis renováveis, o Brasil carece ainda de investimentos e políticas voltadas para o incentivo à indústria. Nesse cenário, a criação de um marco regulatório é uma necessidade urgente, afirma o presidente da Associação dos Produtores de Biodiesel do Brasil (Aprobio), Erasmo Battistella, para quem o mercado brasileiro ainda é pouco competitivo. Um maior estímulo do governo ao setor pode garantir demandas a médio e longo prazo, o que permitiria investimentos de maior porte para o desenvolvimento dessa produção. “Teremos 0% de exportação este ano. Não vamos exportar porque não temos competitividade. Falta deixar nossa produção competitiva, com uma política industrial, explica Battistella, que aponta também para os benefícios econômicos e sociais gerados com a ampliação do mercado de biodiesel no país.

Como tem sido as reuniões com o governo para ampliar o uso do biodiesel no Brasil?

Com a entrada do atual governo, nós retomamos a conversa com os novos ministros em duas frentes. Na primeira, concluímos um estudo muito importante sobre o impacto do biodiesel na saúde pública. Na outra, estamos alinhados com a frente parlamentar para solicitar que o governo encaminhe uma nova medida provisória, implantando o biodiesel metropolitano (B20) em cidades com mais de 500 mil habitantes.

Quais seriam as medidas mais importantes a serem tomadas para impulsionar o setor?

Nós temos a expectativa de implantar o B10 até 2018, e trabalhamos também no uso do biodiesel na agricultura, porque em várias partes do Brasil ele sai mais barato que o diesel. Precisamos manter o mercado aquecido e impulsionar a produção. Mesmo com o crescimento recente, muitas fábricas fecharam as portas, e outras vão fechar se não tomarmos essas medidas. No momento, precisamos disso com urgência.

Como está o momento do segmento no Brasil e qual a previsão de crescimento para este ano?

O consumo de combustível no Brasil deve cair 3,4% neste ano. Mas mesmo com o mercado de diesel recuando, o biodiesel vai fechar o ano com o seu maior consumo, chegando a 4,2 bilhões de litros produzidos e consumidos.

Quais são as maiores oportunidades em vista para fomentar a produção de biodiesel nacional?

O governo precisa emplacar o novo marco regulatório, que pode impulsionar o mercado. Com isso, nós vamos ter uma demanda de médio prazo. Consequentemente, o setor vai poder investir em toda a cadeia, começando pela matéria-prima, passando pelo processamento e chegando ao biodiesel. O marco é o que precisamos nesse momento para continuar.

Qual a expectativa de exportação para este ano? Quais os principais compradores do Brasil?

Teremos 0% de exportação. Não vamos exportar porque não temos competitividade. O nosso maior comprador seria a União Europeia. Falta deixar nossa produção competitiva, com uma política industrial. Precisamos que se crie uma política clara para que o país possa processar mais soja e vender seus subprodutos.

Quais são maiores impactos do biodiesel na economia brasileira?

O impacto econômico é grande, porque o biodiesel gera emprego, diminui importação e ajuda a balança comercial. Mas temos também impacto social, porque compramos muita matéria-prima da agricultura familiar, aumentando a renda do pequeno produtor. Além disso, o biodiesel favorece a saúde pública, reduzindo o número de internações e mortes no país, porque polui menos o ar e influencia na redução de doenças respiratórias.

E quais os maiores desafios do setor?

O maior desafio é ter um marco regulatório de médio e longo prazo. Estamos falando de energia e combustível, áreas que precisam de investimento todos os anos na cadeia. É necessário que tenhamos previsibilidade no setor ao longo dos próximos anos, dando segurança para que os investimentos continuem.

Leia Também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.