Meio Ambiente

MMA e UnB produzirão mudas do Cerrado

BOAS PRÁTICAS 3//Região tem 11 mil espécies nativas, entre herbáceas e lenhosas. Pesquisa constatou que apenas 123 são reproduzidas em 32 viveiros.

 

Por: Marta Moraes – Editor: Marco Moreira

Brasília terá, ainda este ano, o primeiro laboratório de certificação de espécies nativas do Cerrado no Brasil, graças, em parte, ao Ministério do Meio Ambiente (MMA). O projeto foi implantado com a participação da Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano (SRHU) do MMA e o Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio).

O laboratório será gerido pelo Centro de Referência em Conservação da Natureza e Recuperação de Áreas Degradadas da Universidade de Brasília (CRAD-UnB). Os recursos foram utilizados na compra de equipamentos, tais como: estufa, contador de sementes, homogeneizador de amostras uniformes, germinador, soprador e destilador, entre outros.

GARGALO

Na ação de recuperação de áreas degradadas, há um gargalo muito grande em relação à produção de sementes e mudas de espécies nativas do Cerrado. “Temos uma parceria grande com a Rede de Sementes do Cerrado, que faz o mapeamento de produtores de sementes e de mudas para comercializar, mas a quantidade é reduzida”, explica José Roberto Rodrigues Pinto, professor do Departamento de Engenharia Florestal da UnB e Diretor Administrativo do CRAD-UnB.

A proposta é criar no local um centro de certificação de sementes nativas do Cerrado, e os equipamentos recebidos serão utilizados para estruturar dois laboratórios: o de Tecnologia de Sementes e Biotecnologia; e o de Sementes Florestais e Cultura de Tecidos. Eles serão utilizados para micro propagação – produção de mudas por estaquia, que consiste no enraizamento de estacas selecionadas e por cultura de tecido – e para análise e certificação de sementes.

Segundo o professor, foi feita uma pesquisa de quantas espécies nativas produziam mudas nos viveiros do Distrito Federal. Foram constatadas 123 espécies em 32 viveiros entrevistados. “Mas o Cerrado tem mais de 11 mil espécies nativas, entre herbáceas e lenhosas”, salienta. “Os laboratórios que estão sendo implantados no CRAD da UnB ajudarão a suprir essa lacuna.”

O apoio ao CRAD começou há muito tempo, antes mesmo de o Centro existir. Em 2006, com o objetivo de promover a recuperação de áreas degradadas, o MMA, por intermédio do Departamento de Florestas (DFLOR) e do Departamento de Revitalização de Bacias Hidrográficas (DRB), e o Ministério da Integração Nacional, por meio da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), no âmbito do Programa de Revitalização da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, criaram quatro Centros de Referência em Recuperação de Áreas Degradadas (CR-ads).

Assessoria de Comunicação Social (Ascom/MMA)

Ler matéria completa

Vagner Liberato

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro. Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável. Desde 2015 faço o Jornal Sustentabilidade com maior prazer! Para falar comigo, entre em contato pelo email: contato@meioambienterio.com

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close