Meio Ambiente

Bandeiras elétricas: bandeiras no povo!

Apesar do Brasil ter sido abençoado com uma das maiores reservas de água doce do planeta, que sempre nos proporcionou uma situação confortável para geração de energia hidrelétrica e abastecimento de água, agora vemo-nos em condição precária em relação à quantidade de água nos mananciais. Durante os governos militares o país exibia altas taxas de crescimento econômico (11%) que saltavam aos olhos do mundo, mas mesmo assim nunca houve problemas de abastecimento de energia e de água e a matriz elétrica brasileira era orgulho nacional e enaltecida em todo o mundo. Certamente havia planejamento e realizações. Hoje em dia já sabemos muito bem que falta planejamento e sobra incompetência e corrupção. Além disso, bilhões e bilhões são gastos em copa do mundo e olimpíadas, cujo dinheiro vai para o ralo, enquanto essas fortunas produziriam muitos benefícios diretos ao povo e ao país se fossem empregadas diretamente em infra-estrutura. Preferem enormes festas a dar pão e bem-estar para o povo. A mídia defende e promove intensamente tais eventos porque ela ganha demais com isso, enquanto o povo só recebe migalhas e continua na mesma e até pior.

Esse negócio de copa do mundo e olimpíadas deve ser deixado para países ricos, que mesmo assim já estão questionando e se opondo a tantos gastos tão extraordinários. O Japão já está modificando seus projetos para diminuir gastos com as olimpíadas que sediará e a Suécia não aceitou fazer olimpíadas nem copa do mundo por causa dos altíssimos custos. O Brasil já perdeu duas vezes, não tem mais saída, só ficaram prejuízos e vergonhas para nós. Em vez dos governantes aproveitarem essas oportunidades para melhorar a imagem do país e do povo, não, os corruptos e incompetentes tomam conta de tudo e só derrocam ainda mais o valor do povo e do país. E para copa e olimpíadas sobram recursos públicos, mas para benefícios diretos ao povo estes sempre faltam. A educação que falta ao Brasil não é a educação escolar, a do 2 + 2 (informação apenas), disso os governos brasileiros estão cheios, mas sim a educação de valores (formação!), que não existe nos governos brasileiros, praticamente. Por isso os descalabros. E para o país inteiro, a polícia não pode estar em todos os lugares, mas a educação de valores pode! E agora é o povo que está pagando a conta da água, da energia, da incompetência e da corrupção. Se governantes não têm condições de trabalhar seriamente e com afinco para o beneficio do povo sem que sejam necessários tais eventos para realizarem alguma coisa, então não deveriam se candidatar e não tomarem os lugares de raros outros que são responsáveis, trabalhadores e competentes.

O Brasil nunca precisou de termoelétricas, mas o FHC trouxe esses monstrengos. Para promovê-las, o neoliberal FHC mentia ao povo dizendo que termelétrica a gás natural é energia limpa. Enquanto o povo e até especialistas e professores universitários repetiam isso intensamente, senão o primeiro fui um dos primeiros no país a se opor a todo o rolo compressor da propaganda oficial e pensamento único da época e esclarecer os malefícios dessas usinas para o ambiente e para o país. O slogan oficial para as termelétricas era: “Sem influência das estações climáticas”. E eu emendava com: “Têm influência nas estações climáticas”. De acordo com levantamentos feitos nos EUA, as seguintes porções da poluição do ar vêm de termoelétricas: 62% do arsênico, 77% de gases ácidos, 50% do mercúrio, 60% do SO2, 28% do níquel, 13% do NOx, 22% do cromo.

De poucos anos pra cá alterei meu foco e interesse na ciência e avancei muito nos conhecimentos sobre a atmosfera e também verifiquei que uma só dessas usinas é capaz de emitir milhões de toneladas de água para o ar a todo instante e mais rápido do que os ciclos naturais conseguem fazer e, com isso, retira tais quantidades de rios e lagos, secando-os, portanto. Toda essa água tem de voltar, obviamente, mas volta em quantidades, intensidades e distribuições temporal e espacial irregulares, causando enchentes em incertos lugares e períodos. Além disso, uma só dessas usinas joga para o ar milhões de toneladas de partículas sólidas a todo instante e, como isso acontece mais rapidamente do que os ciclos naturais conseguem fazer, uma “barreira sólida” pode ser criada no ar e atingir o nível de saturação para formação de nuvens e assim causando menos chuvas e mais secas em incertos lugares e períodos. As nuvens não são formadas apenas por água, já que suas gotas contêm núcleos de partículas sólidas. Entre outras razões, esta é uma forma que a natureza tem para trazer de volta a poeira que sobe e, se não fosse assim, em vez de nuvens já teríamos uma parede bem grossa lá em cima. O CO2 não tem propriedades físicas nem poder para causar nenhuma mudança climática. Tudo isso e muito mais demonstrei física e matematicamente em artigos científicos internacionais. É a modificação do ciclo hidrológico natural ou convencional devido a certas atividades humanas que corresponde ao Novo Ciclo Hidrológico, descoberto por mim.

Agora, para a recente cobrança da bandeira vermelha por causa do uso de usinas termelétricas, o governo começou dizendo que o valor seria de R$ 3,50 por cada 100 kWh consumidos, mas como quase tudo no Brasil é feito de forma escamoteada e o povo não chia, logo em seguida ele aumentou o valor para R$ 5,50. E a mídia só falou e ainda fala que a conta vem acrescida somente de R$ 5,50 por cada 100 kWh consumidos e não diz nada além disso. Mas, a conta vem acrescida deste valor e mais impostos, que são da ordem de 30%. Isso nem o governo nem a mídia nunca falam. Já não bastasse a cobrança em si e ainda colocam mais impostos e na calada da noite, que a mídia ajuda a esconder.

Mas, tem outra questão muito relevante e determinante. As usinas térmicas têm uma participação da ordem de 27% na matriz elétrica brasileira, o que significa que elas só têm capacidade de fornecer um máximo de 27% da energia consumida e é muito duvidoso se fornecem isso tudo mesmo, pois normalmente operam em stand-by e não funcionam com capacidade máxima o tempo todo. Então, se na conta vem a cobrança da bandeira vermelha sobre o total consumido, isto significa que o governo está cobrando pelo total da energia fornecida ao consumidor, porém cerca de 70% dessa energia total vêm da energia hidrelétrica, que não tem bandeira. Ou seja, estão cobrando pela energia que NÃO é fornecida pelas térmicas! E cobrar ou vender o que não se tem é estelionato.

Uma casa que tem um consumo de 150 kWh/mês só poderia pagar de bandeira vermelha o equivalente a 40 kWh, pois quase todo o resto vem da energia hidrelétrica. Se cobrassem dessa forma, além de fazerem o certo, também ficaríamos sabendo quanto estão cobrando por cada fonte de energia. Mas estão cobrando pelo total, o que é um estelionato. Mesmo que faltasse toda a água nos reservatórios do país, as térmicas não poderiam fornecer mais energia do que a sua capacidade instalada e, assim, também não poderiam cobrar mais do que têm e é fornecido.

ERNANI SARTORI

Cientista

Sobre o autor | Website

Meu nome é Vagner Liberato, sou carioca e vivo no Rio de Janeiro. Formei-me em Administração de Empresas e sou um apaixonado por conteúdo sustentável. Desde 2015 faço o Meio Ambiente Rio com maior prazer! Para falar comigo, entre em contato pelo email: contato@meioambienterio.com

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!

Por gentileza, se deseja alterar o arquivo do rodapé,
entre em contato com o suporte.