Notícias

BANDEIRA AZUL É ARRIADA POR CAUSA DO ÓLEO NAS PRAIAS

Embora a mancha de óleo que está poluindo as praias da Região dos Lagos não tenha chegado ao trecho certificado da Praia do Peró, a Bandeira Azul foi arriada por medida preventiva. A decisão foi tomada pela coordenação local do projeto informado à Coordenação Nacional e ao Instituto Estadual do Meio Ambiente (INEA). A coordenação seguiu o protocolo internacional da Bandeira Azul. Segundo informação das autoridades, pequenas manchas de óleo chegaram à enseada da Praia das Conchas, na Costa do Peró, a quase um quilômetro da área certificada pela Bandeira Azul.

A Bandeira Azul foi arriada na sexta-feira e só será hasteada novamente quando autoridades federais e do INEA garantirem que não há nenhum risco de os resíduos de óleo cheguem à área da Bandeira Azul. As equipes estão dando prioridade a Arraial do Cabo e Búzios, onde as conseqüências do acidente foram mais graves.

— Trata-se de uma medida de prevenção. Foram feitas vistorias e não foram detectadas manchas na Praia do Peró – disse Paloma Arias, da coordenação do Bandeira Azul.

Imagem: Mário

Segundo o coordenador de Meio Ambiente de Cabo Frio, Mário Flávio Moreira, o óleo vazou do campo de Marlin Leste. Ele confirmou a chegada de pequenas manchas na Praia das Conchas. A limpeza já foi feita e toda a orla de Cabo Frio está sendo monitorada pela Guarda Marítima e Ambiental.

— A situação está sob controle, mas na segunda-feira os secretários de Meio Ambiente de Búzios, Cabo Frio e Arraial do Cabo se reúnem em Arraial para avaliar a situação e cobrar uma compensação ambiental da Petrobras – acrescentou Mário Flávio.

A Praia do Peró tem 7,2 quilômetros de extensão, da Praia das Conchas até o Pontal do Peró. O trecho certificado pela Bandeira Azul, na área mais movimentada, onde ficam os quiosques

O Movimento Amigos do Peró há anos cobra mais atenção à vigilância ambiental da praia. Os ambientalistas classificam de “caixa preta” o trabalho feito pela CTA Ambiental, uma empresa capixaba, contratada pela Petrobras, para monitorar a Costa Fluminense. Cerca de 30 animais marinhos são resgatados (em sua maioria mortos) na Costa do Peró por mês. Ninguém sabe, contudo, a causa real dos óbitos. Eles cobram maior atuação dos órgãos ambientais e a divulgação de números oficiais sobre a causa da morte dos animais marinhos. Tendo à frente o biólogo Octávio Menezes, um grupo de ambientalistas fará uma vistoria na tarde deste sábado na Praia do Peró.

Saiba mais

Paulo Araújo

Paulo Roberto Araújo fez sua carreira jornalística no jornal O Globo, onde atuou como repórter e chefe de reportagem da editoria Rio. Sempre com foco no meio ambiente e no turismo, especialmente no interior fluminense, que o levou a ser agraciado com o Prêmio CREA de Meio Ambiente. Paulo Roberto Araújo - Jornalista - MT: 18146/RJ

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Close
Close